Cartão de crédito novucard

7 dicas para evitar cair em golpes no WhatsApp

7 dicas para evitar cair em golpes no WhatsApp

Pesquisas apontam que em 2022, o Brasil foi o país com mais ataques de phishing por WhatsApp no mundo.

Vivemos em uma era em que os aplicativos mensageiros abriram as portas para uma nova forma de comunicação, oferecendo instantaneidade, automatização e conexão constantes. 

Afinal, quem nunca recorreu a um app de mensagens para se comunicar com amigos e familiares ou pagar contas de forma rápida?

Hoje em dia, é comum termos nossos dispositivos sempre à mão, e aplicativos como o WhatsApp tornaram-se parte essencial da nossa rotina, diminuindo distâncias e revolucionando a maneira como marcas e públicos se conectam.

No entanto, essa dinâmica também traz consigo a necessidade de discutirmos um dos crimes mais comuns dessa nova era: os golpes digitais.

Neste artigo, direcionaremos nossa atenção para os golpes realizados por meio do WhatsApp.

Abordaremos os métodos mais frequentemente utilizados pelos criminosos e, por fim, compartilharemos 7 dicas essenciais para evitar essas armadilhas e garantir a segurança dos seus dados.

Brasil se torna líder mundial em golpes por WhatsApp

O Brasil liderou o ranking de golpes por phishing no WhatsApp, com mais de 76 mil tentativas registradas em 2022, conforme um estudo realizado pela empresa de cibersegurança Kaspersky.

O phishing é uma forma de crime cibernético em que os criminosos se passam por marcas e empresas legítimas para obter informações pessoais, como senhas e dados bancários dos usuários. 

No entanto, essa prática não é a única ameaça enfrentada pelos brasileiros no WhatsApp. Os criminosos também usam técnicas de engenharia social, como o envio de links maliciosos e informações falsas, para clonar perfis e causar prejuízos financeiros, além de gerar muita dor de cabeça e insegurança.

Visando conscientizar a população sobre esses riscos, um relatório recente da ThreatX, um API de proteção digital, identificou alguns dos golpes mais comuns aplicados no Brasil. 

Portanto, se você utiliza o WhatsApp ou outros aplicativos de troca de mensagens e deseja proteger seus dados, atente-se aos golpes listados abaixo:

7 dicas para evitar cair em golpes no WhatsApp

Agora que você já conhece a mecânica dos golpes e fraudes mais comuns no WhatsApp, saiba como proteger seus dados e garantir seu bem-estar digital.

1. Desconfie do “bom demais para ser verdade”

Ao receber mensagens aleatórias que prometem prêmios incríveis ou ganhos valiosos, é essencial manter um senso crítico aguçado e desconfiar desse "bom demais para ser verdade".

A intuição desempenha um papel importante nesses momentos, mas também é fundamental se informar sobre os métodos utilizados pelos golpistas.

É pouco provável que grandes empresas e marcas entrarão em contato "do nada" com uma oportunidade imperdível que está prestes a expirar ou que requer o compartilhamento de dados pessoais ou pagamento antecipado para ser concretizada.

Essas são táticas comuns usadas pelos golpistas para enganar as pessoas. Portanto, antes de tomar qualquer ação, verifique cuidadosamente se a oferta ou promoção é legítima.

Pesquise sobre a empresa ou marca, visite o site oficial e entre em contato diretamente por meio de canais confiáveis para confirmar a autenticidade da oferta. Ignore links e não forneça informações pessoais sem ter certeza da origem da mensagem.

2. Evite interagir com mensagens incomuns

Ao utilizar o WhatsApp com frequência, é natural que as mensagens trocadas sigam um padrão confortável.

Um cumprimento de pessoas queridas, ou um convite para um happy hour com os colegas de trabalho são comuns e bem-vindos. 

Sendo assim, mensagens de contatos desconhecidos, descontextualizadas, com teor incomum, ou erros gramaticais e ortográficos podem ser indícios de um golpe.  

Evite interagir com esse tipo de mensagem, não clique em links suspeitos e não baixe documentos compartilhados sem ter certeza de sua autenticidade.

Lembre-se de que empresas e marcas legítimas têm comunicações profissionais e contas verificadas pelo aplicativo.

3. Verifique a fonte das informações recebidas

Atualmente, as fake news representam um desafio real que precisamos combater diariamente.

Além de serem disseminadas por meio de notícias, também são compartilhadas como mensagens no WhatsApp, muitas vezes apresentando promoções e saldos de última hora, ou noticiando prêmios que supostamente o usuário ganhou.

Isso dificulta a verificação das informações, já que é difícil comprovar a veracidade de algo que, em teoria, acabou de acontecer.

Portanto, é crucial entrar em contato com as empresas e órgãos competentes por meio de seus canais oficiais, como sites e serviços de atendimento ao cliente, a fim de confirmar se as informações são mesmo verdadeiras.

Também é recomendável realizar uma pesquisa nos motores de busca, como o Google, para verificar se outras pessoas relataram ter recebido as mesmas informações. 

E claro, sempre que possível procure um canal onde possa denunciar a mensagem.

4. Não compartilhe seus dados pessoais ou bancários

Nunca compartilhe informações pessoais, como endereço, RG, CPF, telefone, senhas e dados bancários, com contatos desconhecidos.

É essencial garantir que essas informações estejam seguras, preferencialmente armazenadas em locais de acesso exclusivo a você.

É importante lembrar que empresas e órgãos públicos raramente entram em contato solicitando essas informações.

Na verdade, eles costumam alertar sobre tentativas de golpes semelhantes, visando proteger os usuários contra fraudes.

Portanto, é preciso se manter vigilante e não fornecer seus dados pessoais a menos que tenha certeza da legitimidade da solicitação.

Se receber qualquer mensagem ou ligação suspeita solicitando seus dados, contate a empresa ou órgão em questão por meio de seus canais oficiais.

Ah! E se você quiser aprender a proteger os dados do seu cartão de crédito, consulte nossas dicas de segurança sobre o assunto e garanta sua privacidade.

Leia também:

5. Bloqueie e denuncie contatos suspeitos

Ao deparar-se com mensagens e solicitações suspeitas no WhatsApp, é essencial agir rapidamente bloqueando e denunciando essas tentativas de contato. 

O próprio aplicativo incentiva os usuários a adotarem essa medida, pois além de interromper a comunicação com os golpistas, também contribui para mapear e compreender a frequência e os métodos utilizados nos golpes.

Basta clicar nos três pontinhos no canto superior direito da conversa e, em seguida, selecionar Bloquear para concluir a ação.

Lembre-se de manter selecionada a caixa que encaminha as últimas 5 mensagens do contato ao WhatsApp, pois isso garante que o aplicativo receba tudo o que precisa para prosseguir com as medidas cabíveis.

6. Mantenha suas senhas atualizadas

Uma medida importante para proteger suas contas é manter suas senhas atualizadas e fortes. Evite utilizar senhas óbvias e fáceis de adivinhar, como datas de nascimento e iniciais de nomes.

Opte por utilizar combinações de letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres especiais, como símbolos e pontuações. 

Além disso, é crucial não reutilizar senhas em diferentes plataformas ou serviços online. Essa prática é arriscada, pois, se uma das suas senhas for comprometida, todas as suas contas ficarão vulneráveis. 

Adicionalmente, é recomendado alterar suas senhas periodicamente como uma medida preventiva. Dessa forma, mesmo que uma senha seja comprometida, você estará reduzindo o tempo em que a mesma pode ser utilizada para fins fraudulentos.

7. Faça a verificação de duas etapas

Por fim, faça a verificação de duas etapas em seu WhatsApp para se proteger com eficácia. Essa função garante uma camada adicional de segurança ao exigir que um código de verificação seja inserido além da senha para acessar a conta.

Apesar do nome rebuscado, fazer essa configuração não é um bicho de sete cabeças. Para se proteger, siga os passos:

  1. Abra o WhatsApp e selecione Configurações.
  2. Clique em Conta > Confirmação em duas etapas > Ativar.
  3. Escolha um número PIN de 6 dígitos e, em seguida, confirme-o.
  4. Insira um endereço de e-mail ao qual você tem acesso ou toque em Pular.
    (Sugerimos fazê-lo para caso você precise redefinir a configuração de duas etapas futuramente). 
  5. Toque em Avançar.
  6. Confirme o endereço de e-mail e toque em Salvar ou OK.

E pronto! Ao configurar, você impede que os golpistas acessem sua conta mesmo que tenham obtido sua senha. 

Mão segurando celular mostrando tela do whatsapp

Conheça os tipos de golpes mais comuns no WhatsApp

Agora que você já sabe como se proteger, fique por dentro dos tipos de golpes no WhatsApp que acontecem com maior frequência.

Aproveite também para compartilhar esse post em suas redes sociais, com amigos e familiares, e mantenha todos protegidos!

Golpe do emprego de meio período

No também conhecido como “golpe do emprego falso”, os criminosos se fazem passar por recrutadores ou empresas que oferecem oportunidades de trabalho. 

Após terem obtido informações de contato por meio de currículos enviados ou sites de emprego, eles apresentam uma proposta atrativa de vagas com horário flexível, remuneração acima da média e a possibilidade de trabalhar em casa. 

Apelando para o emocional, os golpistas mencionam que a "oportunidade" é ideal para estudantes, mães solteiras ou pessoas que desejam obter uma renda extra.

Esse ponto é crucial para que a fraude seja eficaz, pois pessoas em situação de vulnerabilidade empregatícia ou financeira tendem a ser mais propensas a acreditar em mensagens desse tipo.

Uma vez que a vítima se mostra interessada, eles solicitam informações pessoais e até mesmo dados bancários. Em alguns casos, uma taxa de inscrição ou um depósito antecipado pode ser solicitado para "garantir" a vaga.

Após os golpistas obterem essas informações, desaparecem rapidamente e utilizam os dados obtidos para cometer outras fraudes.

Golpe das promoções e sorteios

Aqui, os golpistas se passam por empresas ou marcas famosas, e dizem que a vítima foi selecionada para participar de uma promoção, sorteio com prêmios valiosos ou para comemorar o aniversário da marca.

As mensagens são persuasivas, contendo detalhes que aparentam ser autênticos sobre a promoção, incluindo imagens e links falsos.

Os criminosos criam um senso de urgência, afirmando que a vítima tem um tempo limitado para aproveitar a oportunidade, que a promoção é exclusiva ou que está prestes a expirar.

Além disso, é comum solicitarem o preenchimento de um questionário, que supostamente "desbloqueará" o acesso aos prêmios.

No entanto, o prêmio nunca se concretiza e as vítimas têm seus dados pessoais e bancários utilizados para realizar transações financeiras fraudulentas. 

Ao interagir com os links falsos, a vítima também pode acabar instalando malwares e outros tipos de vírus que espionam suas atividades online e permitem acesso remoto ao seu dispositivo móvel.

Golpe do Pix

A engenharia desse golpe é bastante simples. Aqui, os criminosos se fazem passar por pessoas conhecidas da vítima para solicitar dinheiro emprestado.

Geralmente, acontece quando alguém da lista de contatos da vítima tem sua conta do WhatsApp clonada, geralmente devido ao compartilhamento do código de ativação do aplicativo.

As histórias são convincentes, com afirmações de que estão passando por uma emergência financeira ou que precisam realizar um pagamento urgente, explorando a pressão psicológica ou a compaixão da vítima para persuadi-la a realizar a transferência.

Outra variação desse golpe é conhecida como "golpe do Pix reverso". Nesse caso, os criminosos enviam um falso comprovante de transação Pix para as vítimas, sem contexto algum.

Quando questionados, afirmam ter realizado um Pix por engano e solicitam o reembolso da transação. 

Um ponto de atenção é que, nesse modelo de fraude, os valores solicitados são geralmente menores, variando entre R$20 e R$100. Isso ocorre porque esses valores são comumente trocados entre as pessoas e quantias superiores levantam suspeitas.

Golpe do FGTS

Nesse golpe, que já afetou mais de 10 mil brasileiros, os golpistas se fazem passar por funcionários da Caixa Econômica Federal e fornecem informações falsas sobre saques ou liberação de valores do FGTS.

Os golpistas podem solicitar dados pessoais, além de pedir que a vítima faça um depósito ou transferência para garantir a liberação do dinheiro. Em alguns casos, eles também podem solicitar o código ou senha de acesso à conta do FGTS da vítima.

Para convencê-la, os criminosos costumam fornecer informações aparentemente autênticas, como o número do PIS ou o valor do saldo do FGTS, obtidos por meio de vazamentos de dados ou outras fontes ilícitas. 

Após obter as informações necessárias, os golpistas podem realizar transações fraudulentas, contratar empréstimos e serviços de assinatura ou acessar a conta do FGTS da vítima para efetuar saques indevidos.

Sofreu um golpe? Saiba como denunciar

Há algumas formas de denunciar as tentativas de golpe e fraude recebidas pelo WhatsApp. Você pode denunciar na própria mensagem aberta, como compartilhamos no tópico anterior, ou pela opção Ajuda do aplicativo.

Para acessá-la, abra sua conta > clique em Configurações > selecione a opção Ajuda.

Na seção Fale conosco, você pode detalhar o ocorrido e fornecer todas as informações adicionais requeridas. Se quiser, você pode denunciar por meio do formulário da página Fale com o WhatsApp

Também é possível encaminhar um e-mail para o contato [email protected], relatando o que houve e anexando capturas de tela para auxiliar no entendimento do caso. A empresa se compromete a responder sua denúncia em até 48 horas.

Além disso, principalmente se houver danos financeiros ou similares, você pode (e deve) abrir um boletim de ocorrência online.

Cada estado possui sua própria delegacia eletrônica, no entanto, todos os cidadãos maiores de 18 anos podem fazer denúncias. O processo é simples:

  1. Acesse o site da Polícia Civil do seu estado.
  2. Clique em Comunicar ocorrência ou Registrar ocorrência.
  3. Em seguida, escolha a opção Outros crimes ou Outras ocorrências.
  4. Preencha o formulário com todas as informações do caso.
    (Utilize capturas de telas e gravações para garantir uma denúncia completa e eficaz.)
  5. Após preencher todos os dados requeridos, faça o envio do boletim de ocorrência.

Após a conclusão do envio, o requerimento será investigado pela Polícia Civil local.

Lembre-se de que, segundo a Lei 14.155/21, a prática de fraudes, estelionatos e invasão de dispositivos visando roubar, apagar ou modificar dados em meios digitais, incluindo os golpes via WhatsApp, pode resultar em uma condenação de quatro a oito anos de prisão. 

Sendo assim, denunciar é essencial para que os criminosos e golpistas paguem por seus atos e sejam impedidos de fazer novas vítimas.

Conclusão

Como você já sabe, a alta dos golpes por WhatsApp levanta alerta sobre a necessidade de garantir maior segurança para os seus dados bancários e informações pessoais.

Ao longo deste artigo, vimos que os brasileiros foram os mais afetados por golpes no mensageiro em 2022. No entanto, também aprendemos a reconhecer os métodos dos golpistas e o que fazer para se prevenir.

Além disso, descobrimos como denunciar atividades fraudulentas para tornar a internet mais segura para você e outros usuários. 

Apesar disso, aqui no novücard você pode se tranquilizar, pois o dinheiro guardado em seu cofrinhü é assegurado pelo FGC, garantindo uma camada essencial de segurança e evitando que suas finanças sejam afetadas por atividades criminosas online.