Cartão de crédito novucard

Fluxo de caixa: O que é, como começar e por que é importante para sua empresa

Fluxo de caixa: O que é, como começar e por que é importante para sua empresa

Manter relatórios de fluxo de caixa e acompanhar os hábitos financeiros da sua empresa é fundamental para um negócio sustentável.

O fluxo de caixa é uma ferramenta essencial para a gestão financeira de qualquer empresa, independentemente do porte.

Com esse relatório, é possível acompanhar as entradas e saídas de dinheiro, identificar períodos com maior ou menor liquidez, além de calcular a necessidade de capital de giro dos negócios.

Entender como cada peça dessa ferramenta funciona pode fazer toda a diferença para um negócio a longo prazo.

Pensando nisso, reunimos neste artigo tudo o que você precisa saber sobre fluxo de caixa.

Assim, você poderá começar a utilizar essa ferramenta no seu dia a dia de forma eficiente, proporcionando uma gestão financeira mais precisa e estratégica para a sua empresa.

O que é fluxo de caixa?

Não tem mistério! Fluxo de caixa é um relatório que registra todas as entradas e saídas de dinheiro de uma empresa em um determinado período.

Com ele, é possível acompanhar e até mesmo projetar os valores disponíveis em caixa, na conta corrente e nas aplicações da empresa.

Além disso, o fluxo de caixa pode te ajudar a reduzir custos desnecessários e tomar melhores decisões para garantir a estabilidade financeira do seu negócio.

Continue lendo para ficar por dentro de todas as vantagens financeiras que essa ferramenta pode proporcionar à sua empresa.

Qual a importância do fluxo de caixa?

Segundo um levantamento realizado pelo Sebrae com mais de 10 mil microempresários brasileiros, 56% dos entrevistados admitiram precisar de maior capacitação na área de gestão e controle financeiro

A pesquisa não deixa dúvidas de que a tarefa de avaliar a saúde financeira de uma empresa e estabelecer metas para o futuro é muito mais complexa sem o auxílio de ferramentas de acompanhamento financeiro, como o fluxo de caixa.

A ausência desse suporte pode até mesmo resultar no encerramento dessas pequenas empresas.

Isso torna a prática indispensável para o desenvolvimento de hábitos financeiros saudáveis e para assegurar a sustentabilidade de um negócio.

De modo geral, o fluxo de caixa permite:

  • Identificar as entradas e saídas de dinheiro da empresa em tempo real. 
  • Prever receitas e despesas futuras, sendo essencial para estabelecer metas realistas.
  • Identificar problemas e possíveis crises futuras, como períodos de menor liquidez, aumento inesperado de despesas ou redução inesperada de receitas.
  • Evitar o endividamento ao sinalizar os períodos de menor liquidez, garantindo a tomada de decisões mais prudentes sobre o uso de crédito.
  • Garantir o sucesso do seu negócio quando utilizado a longo prazo. Afinal, o fluxo de caixa reúne as informações mais importantes num só lugar, ajudando a identificar riscos financeiros e tomar medidas para diminuí-los .

E não é só isso (ou tudo isso). Essa ferramenta pode ser ajustada para refletir as mudanças nas receitas, despesas e outros fatores financeiros da empresa.

Por ser adaptável, o fluxo de caixa também pode pode ser personalizado para atender a requisitos específicos, como exigências legais ou regulatórias.

Quais são os tipos de fluxo de caixa?

Existem diversos modelos de fluxo de caixa, cada um com finalidades específicas. Para determinar qual ou quais se adequam melhor ao planejamento financeiro e modelo de negócio da sua empresa, confira os diferentes tipos abaixo:

Fluxo de caixa direto

O fluxo de caixa direto registra as entradas e saídas de dinheiro provenientes das operações da empresa. Ele pode ser dividido em três categorias básicas:

  1. Receitas: Vendas de produtos ou serviços, juros recebidos, entre outros;
  2. Despesas: Custos de mercadorias vendidas, despesas operacionais e financeiras, entre outros;
  3. Outras entradas e saídas: Vendas de ativos, investimentos, entre outros.

Fluxo de caixa indireto

O fluxo de caixa indireto registra as alterações no saldo de caixa da empresa. 

Ele é calculado com base no lucro líquido, com ajustes para refletir mudanças no capital de giro, como depreciação, amortização, impostos, vendas, investimentos em ativos e outras transações.

Fluxo de caixa operacional

O Fluxo de Caixa Operacional (FCO) é uma medida da capacidade da empresa de gerar caixa a partir de suas operações cotidianas, como vendas, compras e despesas.

Ele é calculado como a diferença entre as receitas operacionais, como a venda de produtos e prestação de serviços, e as despesas operacionais, como os pagamentos de aluguel e salário.

O FCO é importante porque não é afetado por itens não operacionais, como depreciação, amortização e despesas financeiras.

Portanto, ele é considerado uma medida mais confiável da saúde financeira de uma empresa do que o lucro líquido, por exemplo.

Fluxo de caixa projetado

O Fluxo de Caixa Projetado (FCP) é uma estimativa das entradas e saídas de caixa da empresa no futuro.

Ele é usado para antecipar o desenvolvimento das finanças e embasar decisões relacionadas a investimentos e financiamentos.

Fluxo de caixa descontado

O Fluxo de Caixa Descontado (FCD) é uma técnica de avaliação de investimentos que calcula o valor presente de um fluxo de caixa futuro.

Ele é utilizado para comparar diferentes investimentos, avaliar a viabilidade de novos projetos ou determinar o valor de uma empresa.

Fluxo de caixa para investimentos

O fluxo de caixa para investimentos registra as entradas e saídas de dinheiro de uma empresa relacionadas a investimentos.

É subdividido em duas categorias principais:

  1. Entradas de caixa: Incluem receitas como dividendos, juros recebidos e vendas de ativos.
  2. Saídas de caixa: Envolvem custos de aquisição e manutenção de ativos, assim como os custos associados à venda de ativos.

Fluxo de caixa livre

O fluxo de caixa livre, também conhecido como fluxo de caixa final (FCF), é o montante de caixa disponível após a quitação de todas as obrigações de uma empresa. 

Ele é calculado como a soma do fluxo de caixa operacional e do fluxo de caixa de investimento, subtraindo o fluxo de caixa de financiamento.

Há uma frequência ideal para fazer o fluxo de caixa?

Para aproveitar todos os benefícios dessa ferramenta, é recomendável manter um acompanhamento regular, ajustando a frequência conforme as necessidades específicas da empresa.

Empresas de menor porte, com um volume mais modesto de transações financeiras, podem optar por realizar o fluxo de caixa mensalmente, enquanto negócios de maior porte, com um volume maior de transações financeiras, podem preferir uma frequência semanal ou até diária.

Ao escolher a frequência adequada para o seu negócio, leve em consideração que quanto mais frequente for o fluxo de caixa, mais precisa será a visão da saúde financeira da sua empresa. 

O fluxo de caixa diário ou semanal possibilita detectar rapidamente possíveis problemas, além de identificar com precisão os momentos de maior e menor liquidez. Mas também é mais trabalhoso de fazer!

Ilustração de notas de dinheiro

Vantagens de ter um fluxo de caixa organizado

Manter as finanças organizadas e um registro preciso do fluxo de caixa do seu negócio pode ter impactos diretos em seus objetivos e resultados. 

Para garantir que você tenha tudo o que precisa para começar a fazer seus registros ainda hoje, apresentamos abaixo algumas vantagens que um bom fluxo de caixa pode oferecer à sua empresa.

Melhor tomada de decisões financeiras

Um fluxo de caixa bem organizado fornece informações essenciais para a tomada de decisões financeiras, como investimentos, financiamento e expansão, contribuindo para evitar riscos financeiros.

Se os dados do fluxo de caixa indicarem um período de liquidez reduzida preocupante, é possível tomar medidas proativas para aumentá-la, por exemplo, você pode incluir a negociação de prazos de pagamento com fornecedores ou buscar algum auxílio por meio de financiamentos.

Redução de custos desnecessários

Manter os registros organizados permite identificar gastos desnecessários ou ineficientes, auxiliando na redução de custos.

Dessa forma, é possível implementar medidas para reduzi-los, aumentando a eficiência e a lucratividade da empresa.

Na prática, a análise do fluxo de caixa pode evidenciar que a empresa está pagando taxas de cartão de crédito excessivas, ou contratando serviços que são pouco utilizados.

Ao identificar essas saídas de dinheiro, é possível adotar medidas de redução eficazes.

Melhor planejamento de investimentos

Uma das vantagens do fluxo de caixa é poder usá-lo para projetar o futuro das finanças, o que pode ajudar a identificar oportunidades de investimento e garantir que a empresa tenha fundos suficientes para financiá-los. 

Melhor relacionamento com investidores e clientes

Por fim, o fluxo de caixa pode te ajudar a manter um relacionamento saudável com fornecedores e clientes, garantindo que a empresa cumpra suas obrigações financeiras.

Isso pode ajudar a construir confiança e credibilidade, facilitando o acesso a crédito e financiamento.

Extra: 4 erros para evitar ao criar um fluxo de caixa

Agora que você sabe as vantagens de manter um relatório de fluxo de caixa e porquê deveria fazê-lo, confira alguns erros comuns ao gerar os relatórios e como evitá-los:

  1. Não considerar todas as entradas e saídas de caixa:
    • O fluxo de caixa deve ser uma representação completa das entradas e saídas de caixa da empresa, incluindo todas as receitas, despesas, investimentos e financiamentos. Até mesmo os centavos devem ser considerados.
  2. Não categorizar os dados corretamente:
    • A categorização das entradas e saídas de dinheiro permite identificar tendências e padrões, o que pode ajudar a empresa a tomar decisões financeiras mais informadas. Ao inserir os dados de receitas e despesas, é importante incluir o maior número de detalhes possível sobre a entrada, incluindo:
      • O que foi comprado ou vendido?
      • Quanto foi comprado ou vendido?
      • Quando foi comprado ou vendido?
      • De quem foi comprado ou a quem foi vendido?
  3. Utilizar estimativas imprecisas:
    • Tenha em mente que as projeções utilizadas no fluxo de caixa devem ser fundamentadas em dados históricos sobre a empresa e projeções futuras realistas a curto, médio e longo prazo.
  4. Não considerar as sazonalidades:
    • O fluxo de caixa de uma empresa pode variar ao longo do ano, dependendo do mercado ou modelo do negócio. Por exemplo, uma empresa de turismo pode ter um fluxo de caixa maior no verão do que no inverno, não é? Sendo assim, é importante considerar fatores externos ao analisar os dados gerados.

Conclusão

Neste artigo, apresentamos a definição fundamental do fluxo de caixa, exploramos os diversos modelos de relatórios que podem ser aplicados, compreendemos as vantagens de manter  uma gestão de receitas e despesas organizadas e identificamos os erros a serem evitados durante esse acompanhamento financeiro.

Agora é com você! Com as ferramentas necessárias, você está pronto para tomar decisões informadas sobre o método mais adequado de fluxo de caixa para a sua empresa.

Ao implementar essas práticas, você não apenas compreenderá os hábitos financeiros da sua empresa, mas também terá a capacidade de identificar áreas de aprimoramento, antecipar problemas e otimizar a gestão dos recursos para garantir que seu capital seja utilizado de maneira eficiente, fazendo seu dinheiro render ainda mais.